PNRVT – Parque Natural Regional Vale do TuaPNRVT – Parque Natural Regional Vale do Tua

PNRVT - Parque Natural Regional Vale do Tua

Already a member?

PNRVT – Parque Natural Regional Vale do TuaPNRVT – Parque Natural Regional Vale do Tua
Forgot password?

Don't have an account?

PELOURINHO DE LAMAS DE ORELHÃO

Marco Jurisdicional / Imóvel de Interesse Público

O Pelourinho de Lamas de Orelhão localiza-se na freguesia e aldeia de Lamas de Orelhão.
A villa de Lamas de Orelhão foi sede de um extenso concelho, fundado por foral do século XIII, que alguns autores indicam ser datado de 1225 e outorgado por D. Sancho II. Recebeu ainda foral de D. Afonso III, em 1259, e foral novo manuelino, de 1515. O concelho foi extinto em 1853, e integrado em Mirandela, do qual é actual freguesia. Conserva ainda o seu pelourinho, levantado num largo da localidade.

O pelourinho assenta sobre plataforma de três degraus circulares de aresta, muito rústicos, completados por um tronco cónico liso, com dupla moldura toral superior. Esta peça serve de base à coluna, de fuste cilíndrico e liso, com ligeira entasis, adelgaçando junto ao topo. Nele repousa um capitel circular, antecedido por fino astrágalo e moldura circular saliente, e encimado por ábaco também circular. O remate é do tipo bragançano (cfr. Luís CHAVES, 1938), muito característico: é composto por quatro braços em cruz, semelhantes a cachorros, mas sem decoração no topo, que tem perfil contracurvado (recordando as tradicionais serpes dos ferros de sujeição). A decoração resume-se a fieiras de botões nos espaços entre cada braço. A peça terminal é um tronco cónico com quatro saliências cantonais “de provável expressão zoomórfica” (E. B. de Ataíde MALAFAIA, 1997) junto do topo, coroado por uma moldura quadrada ornada por golpes verticais. De facto, em pelo menos uma destas saliências é ainda possível distinguir os traços de um animal. Este exemplar possui a particularidade de não ter as representações zoomórficas no topo dos braços em cruz, e sim na peça de remate. Será provavelmente datado do foral manuelino, embora não possua elementos que permitam definir com rigor a sua cronologia.

O Abade Baçal (1934, VI: 714) refere que em 1630 Gaspar Vaz Teixeira mandou mudar o pelourinho «para onde hoje está porque nesse tempo estava no cimo da vila aonde se chama o Muro por ser ahi nesse tempo a vila murada e acastelada».
Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público no ano de 1933.

Fonte: Câmara Municipal de Mirandela