O Parque Natural Regional do Vale do Tua (PNRVT) já está a colocar sinalética orientativa e explicativa em toda a área do território que abrange (Mirandela, Carrazeda de Ansiães, Vila Flor, Murça e Alijó).

Ao todo 51 sinais vão ser colocados nas principais vias de comunicação do território. “O principal objectivo é que as pessoas ao entrarem na área do parque saibam onde estão”, explicar o diretor, Artur Cascarejo.

Este projeto foi desenhado atendendo à rede viária, procurando facilitar a mobilidade na área do parque, sinalização turística já existente e ainda ao património cultural e turístico de interesse.

Estão a ser implementados quatro tipos de sinais, divididos pelas tipologias SINALIZAÇÃO TURISTICO-CULTURAL e SINALIZAÇÃO DE DIRECÇÃO.

Sinalização Turística- Cultural, destacando neste tema o património e a natureza. Os sinais T2 relativos ao Património cultural indicam um local, imóvel ou conjunto de imóveis relevantes sob o ponto de vista cultural. Os sinais turístico-culturais que transmitem indicações sobre motivos de relevância cultural, histórico-patrimonial e paisagística, só podem ser utilizados nas estradas da rede fundamental e em itinerários complementares. Neste projecto prevê-se a implantação deste tipo de sinais na Auto-Estrada A4 e no Itinerário Complementar IC5.

Os sinais T3, referentes ao Património Natural, transmitem indicações sobre acidentes geográficos e parques naturais ou nacionais, devendo ser colocados no início do seu atravessamento e podem ser utilizados nas principais vias de comunicação.Sinalização De Direcção

Os sinais J3a – Indicação de âmbito urbano, indicam a direcção de destinos interiores ou exteriores ao aglomerado. São utilizados pontualmente, para orientar os visitantes no interior das localidades..

Os sinais J2 – Direcção da via de acesso, indicam a direcção de uma via de acesso a um local ou serviço com interesse. A presente solução contempla a colocação de setas direccionais, cuja função é complementar a indicação referenciada pelos sinais T2, nas intersecções da auto-estrada A4 e do Itinerário Complementar IC5, que conduzem ao Vale do Tua, assegurando assim a continuidade na informação. Foram também colocadas setas direccionais tipo J2 nas intersecções do Itinerário Complementar IC5 e Itinerário Principal IP2, que conduzem ao Vale do Tua.

A estratégia global passa por orientar os visitantes para as sedes de município, com o objetivo de os munir de informação que lhes permita, posteriormente, avançar para o território devidamente documentados.