PNRVT – Parque Natural Regional Vale do TuaPNRVT – Parque Natural Regional Vale do Tua

PNRVT - Parque Natural Regional Vale do Tua

Already a member?

PNRVT – Parque Natural Regional Vale do TuaPNRVT – Parque Natural Regional Vale do Tua
Forgot password?

Don't have an account?

IGREJA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA

Arquitetura Religiosa / Imóvel de Interesse Público

A Irmandade da Misericórdia de Mirandela foi fundada em 1518 (União das Misericórdias Portuguesas, 2003) edificando o seu primeiro templo na Rua da Ponte. Em meados do século XVII esta igreja estava arruinada, pelo que em 1671 a confraria decidiu construir um novo edifício na praça da vila, arrematando a obra ao mestre pedreiro Manuel da Veiga.

Em 1675, por falta de cumprimento dos termos do contrato, as obras foram adjudicadas novamente, desta vez a António Gomes. Supõe-se que a igreja estaria concluída no início do século XVIII.
A planta é composta por dois volumes rectangulares, a nave e a capela-mor, sendo esta de menores dimensões. A fachada principal é dividida em três registos com três panos distintos. No primeiro registo foram rasgadas três portas de moldura rectangular, as laterais encimadas por frontões semicirculares, a do centro por volutas.

No segundo registo abre-se ao centro um janelão ladeado por dois nichos com imagem dos fundadores da Ordem dos Trinos, São João da Mata e São Félix de Valois. O conjunto do frontispício é rematado por frontão com pináculos ao centro do qual foi colocada uma Pietá .

A nave única possui dois púlpitos de pedra lavrada e policromada, e quatro retábulos laterais, dois do lado do Evangelho dedicados a Nosso Senhor dos Passos e Nossa Senhora do Rosário, edificados em 1761, e do lado oposto, o retábulo do Senhora da Cana Verde e o de Nossa Senhora dos Prazeres.

O arco triunfal, de volta perfeita, apresenta no extradorso vestígios de pintura mural, com motivos fitomórficos e marmoreados que ladeiam uma representação de Cristo e da bandeira da Misericórdia. A capela-mor é coberta por abóbada de caixotões de talha dourada, e as paredes são decoradas com composições de pintura mural, reproduzindo silhares de azulejos e painéis de mármore. Ao centro foi edificado no início do século XVIII o retábulo de talha dourada, com tribuna e trono.

Catarina Oliveira

IPPAR/2006

Fonte: Direção Geral do Património Cultural

Fonte: Direção Geral do Património Cultural