Carrazeda de Ansiães – Porta de Entrada no PNRVT

Se eu tivesse asas e pudesse voar, escolheria as terras de Ansiães para construir o meu ninho, sabendo que a cada dia podia alimentar a minha alma de beleza, contemplar a tranquilidade do planalto, os socalcos abençoadas do Douro, ao contemplar o rio Tua, que sem temor, rasga a paisagem e delimita em parte o concelho de Carrazeda de Ansiães…

Se eu tivesse asas e pudesse voar, estudava a história da ocupação humana no território, observando as ruínas do Castelo de Ansiães…

Se eu tivesse asas e pudesse voar, descia até ao fundo do poço do Castelo de Ansiães para descobrir o Grande Livro dos Feitiços, que me iria revelar os segredos de como alcançar uma grande fortuna.

Mas preciso eu de um livro para descobrir essa fortuna?

Preciso eu de asas para beber de tanta sabedoria?

A Grande Fortuna do conhecimento está visível no Centro Interpretativo do Castelo de Ansiães.

Apenas com as asas do sonho posso viajar no tempo e compreender quem eram, como viviam, como pensavam as comunidades que por ali passaram, desde a origem até aos nossos dias.

Estes testemunhos que encontramos em livros ou em artefactos existem noutros espaços do concelho, como o Museu da Memória Rural, que guarda saberes sobre os usos e costumes da população local. Nas narrativas do passado, destaca-se ainda a anta de Vilarinho da Castanheira ou Pala da Moura, monumento megalítico; a Anta de Zedes, do mesmo período cronológico, localmente conhecido como a Casa da Moura; a Igreja de Santa Eufémia, um templo seiscentista, com o interior decorado em estilo barroco e tantos outros pontos de interesse para descobrir.

O peso da história coabita, sem sobressaltos, com a modernidade que o município impôs, quer do ponto de vista urbanístico, quer do ponto de vista económico e social.

A maçã é o produto que por terras de Ansiães assume maior importância, sendo símbolo identitário do concelho, mas o azeite e o vinho têm igualmente uma enorme importância…

Estes três produtos âncora dão nome à maior Festividade económica do concelho: a Feira do Maça do Vinho e do Azeite.

Carrazeda de Ansiães foi o município escolhido para receber aquela que é a maior Porta de Entrada no território: o Centro Interpretativo do Vale do Tua.

Os antigos armazéns da estação de caminho-de-ferro de Foz Tua deram lugar a um espaço de conhecimento, de memória e de interpretação. Um espaço que é também um estímulo à interação, um convite à visitação dos cinco concelhos que integram este vale.

Na viagem de descoberta sugerimos os percursos pedestres, que no município de Carrazeda garantem uma experiência irrepetível.

A diversidade paisagística é enorme caminhos agrícolas cruzam-se com calçadas romanas, encaminhando o visitante, por entre bosques, pomares, olivais ou vinhedos, para as belas localidades ribeirinhas.

Um desses trilhos leva-nos às Termas de São Lourenço, as suas águas medicinais misturam-se com histórias fantásticas que falam de uma moura encantada, metade serpente metade mulher que apenas na noite de S. João, depois de se banhar nas águas milagrosas revelaria a sua impressionante beleza.

E mesmo não tendo asas e não podendo voar, os miradouros Olhos do Tua e de São Lourenço, permitem-nos que o olhar se eleve e vagueie, que em segundos possa subir e descer montanhas, tocar a água do rio e acariciar cada curva, cada ruga, que o Tua desenha.

Sem ter asas para descer ao poço para encontrar o livro dos feitiços, facilmente podemos encontrar a Grande Fortuna que está presente em cada palmo de terra, no leito do rio e nas suas margens, a grande fortuna que é a biodiversidade.

A flora é variada, estimando-se que existam mais de 1100 espécies. A fauna é numerosa, tendo sido identificadas mais 900 espécies.

Não tenho asas mas posso voar, posso provar, posso sentir e respirar este rio de tantos encantos. Posso viajar e explorar este Reino Maravilhosa que Torga cantou.

Posso ser… TUA…

Carrazeda de Ansiães é Tua!

Por: Ana Fragoso